Notícias Notícias

Voltar

Tese realiza caracterização do magmatismo granítico ao longo da Zona de Cisalhamento Patos

Defesa de doutorado de Jefferson Valdemiro de Lima será na segunda-feira (2), às 14h30, em videoconferência

O Programa de Pós-Graduação em Geociências da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) promove a defesa da tese de doutorado de Jefferson Valdemiro de Lima na segunda-feira (2), às 14h30, em videoconferência através do Google Meet. Intitulado “Caracterização do magmatismo granítico ao longo da Zona de Cisalhamento Patos, limite entre as subprovíncias Central e Norte da Província Borborema”, o trabalho foi orientado pela professora Ignez de Pinho Guimarães e coorientado pelo professor Sérgio Pacheco Neves. Confira a composição da banca examinadora. 

Resumo

Magmatismo granítico e zonas de cisalhamento transcorrentes constituem importantes feições associadas à orogênese Brasiliana na Província Borborema, e a petrogênese dos granitoides e sua relação com os processos tectônicos são essenciais para o entendimento da evolução crustal. Nesta tese, foram estudados o Batólito Teixeira e o Complexo Esperança, duas grandes intrusões graníticas localizadas, respectivamente, na porção central e leste da Zona de Cisalhamento Patos. Dados U-Pb em zircão (585 a 600Ma) e trama mineral e magnética indicam um alojamento pré-transcorrente para os granitoides do Batólito Teixeira. Estes granitoides apresentam assinatura química e assembleia mineral semelhante aos granitos tipo I oxidados, metaluminosos e com afinidade cálcio-alcalina de alto-K a shoshonítica, com teores de elementos traços típicos de granitos de alto Ba-Sr. Os baixos valores para o eNd (-13,68 a -16,04) e eHf (-16,27 a -20,80) e idades modelo TDM (Nd e Hf) Paleoproterozoicas, juntamente com características químicas e idade do batólito sugerem fontes infracrustais anfibolíticas. É sugerido que fusão parcial ocorreu em crosta tectonicamente espessada depois de um longo período de tectônica contracional, e delaminação do manto litosférico pode ter sido essencial para o processo. Os granitoides do Complexo Esperança, alojados entre as Zonas de Cisalhamento Patos e Campina Grande, também apresentam afinidade com rochas cálcio-alcalinas de alto-K a shoshonítica, mas são associados a uma expressiva variabilidade química e isotópica. Os granitoides dos Plutons Pocinhos, Serrote da Cobra e Puxinanã apresentam idades modelo TDM (Nd e Hf) Estaterianas a Calimianas, variando de 1.4 a 1.7Ga e 1.6 a 1.8, respectivamente, e baixos valores para eNd (-5,90 a -7,35) e eHf (-3,66 a -6,90), enquanto os granitoides dos Plutons Areial e Remígio são caracterizados por valores fortemente negativos para o eNd (-15,29 a -16,71) e eHf (-12,20 a -21,03), e apresentam idades modelo TDM (Nd e Hf) Paleoproterozoicas a Neoarqueanas. Estes dados, juntamente com as distintas características químicas sugerem fontes metaígneas Paleoproterozoicas de composição anfibolítica para o Pluton Areial, fontes Tonianas (ortognaisses Cariris Velhos) para os plutons Puxinanã, Serrote da Cobra e Pocinhos, e fontes metassedimentares para os granitoides de Remígio. A integração dos dados com contexto regional é compatível com um longo período de construção para o Complexo Esperança, desde o fim do regime contracional e pico metamórfico, com fonte de calor por espessamento crustal (~600Ma; Plutons Pocinhos e Serrote da Cobra), até regime transcorrente, onde interação com fundidos máficos provenientes de descompressão do manto explica a origem dos magmas mais hibridizados dos Plutons Areial e Puxinanã (585 a 575Ma), cujo alojamento foi controlado pela Zona de Cisalhamento Campina Grande. O alto gradiente geotérmico conduzido pelos pulsos magmáticos anteriores e as altas temperaturas durante metamorfismo dinâmico relacionado a Zona de Cisalhamento Patos conduziram a fusão parcial das fontes metassedimentares que produziram o magmatismo do Pluton Remígio (~565Ma). As condições termobarométricas de ambas as intrusões estudadas sugerem cristalização em profundidades compatíveis com a crosta intermediária a superior.

Data da última modificação: 30/07/2021, 17:19

Contato Contato

Secretaria

UFPE - Universidade Federal de Pernambuco CTG - Centro de Tecnologia e Geociências / Escola de Engenharia de Pernambuco Rua Av. da Arquitetura, s/nº CEP - 50740-550

(81) 2126 8200 / 2126 8700
Para alunos - formulário

Localização Localização